Sobre

Release novo álbum Tempestade

Produzido por Marcio Tucunduva e Marcos Ottaviano
Mixado por Chris Shaw (Bob Dylan, The Derek Trucks Band, Wilco)
Masterizado por Joe Palmaccio (Eric Clapton, KISS, Taylor Swift)

Depois do muito elogiado álbum Antimoderno, de 2010, o cantor, compositor e guitarrista Marcio Tucunduva retoma a parceria com o guitarrista e produtor musical Marcos Ottaviano para a produção de seu novo disco, Tempestade.

Gravado no Estúdio Eletrofônico, em São Paulo, o álbum de 10 músicas inéditas de autoria de Tucunduva e Ottaviano foi mixado no Texas (EUA) pelo engenheiro de som e produtor quatro vezes ganhador do Grammy Chris Shaw (Bob Dylan, Modern Times e Love And Theft; The Derek Trucks Band, Already Free; Wilco, A Ghost Is Born) e masterizado em Nashville (EUA) pelo também ganhador de quatro Grammys Joe Palmaccio (Eric Clapton, KISS, Alicia Keys, Taylor Swift).

Tempestade é um disco de rock com uma linguagem pop e acessível, e traz a clássica formação de voz, guitarras, baixo e bateria, além de violão de aço e percussão em algumas faixas. Tempestade, a música que dá nome ao álbum, abre o disco mostrando as sempre presentes influências de Raul Seixas, Jimi Hendrix, John Lennon e Bob Dylan, mas a forte influência da música brasileira encontrada no anterior Antimoderno ainda está presente, como é possível constatar em Vendaval, Norte, ou mesmo no blues Trovão.

Marcio Tucunduva: voz, guitarra, violão
Marcos Ottaviano: guitarra, baixo
Humberto Zigler: bateria, percussão

Bio

Cantor, compositor e guitarrista, Marcio Tucunduva iniciou sua trajetória musical tendo como "professor" ninguém menos que Raul Seixas. Fã e vizinho do roqueiro em São Paulo, aos 13 anos Marcio bateu à porta do artista e foi recebido com muita simpatia. Tomou aulas de violão, gravou fitas caseiras cantando ao lado do mestre (confira aqui Trem das 7) e seguiu Raul no estúdio durante a gravação de seu penúltimo disco. Foi também Raul quem o estimulou a compor. Ao ouvir do jovem e ingênuo pupilo que só havia composto uma única música, cheia de palavrões, o baiano soltou: "minhas músicas também estão cheias de palavrões", referindo-se ironicamente à Censura. A semente estava lançada...

Depois de muito compor e atuar em bandas, sempre com trabalho autoral mesclado a covers de Jimi Hendrix, Bob Dylan, Alceu Valença e Novos Baianos, entre outras influências, Marcio Tucunduva viveu por quase um ano no Rio de Janeiro. Lá, conheceu o tecladista e produtor Mú Carvalho (da banda A Cor do Som), que se tornou parceiro de composição, produziu seu primeiro álbum, nunca lançado, e foi o responsável pela estreia "oficial" do artista: o single Enjoado Jungle, produzido por Mú, foi tema de um dos personagens da novela Vila Madalena, da Rede Globo, e o videoclipe da canção foi uma das aberturas do programa. Em seguida, Tucunduva gravou o álbum solo Etanoise, que teve uma ótima aceitação da crítica e já fazia a ponte entre música brasileira e rock – o embrião de seu trabalho atual.

Em 2010, Marcio Tucunduva lançou seu segundo álbum, o elogiado Antimoderno, produzido em parceria com Marcos Ottaviano e eleito pelo crítico musical José Flávio Júnior (Revista Bravo!) como um dos cinco melhores lançamentos nacionais daquele ano.

Duas de suas parcerias com Mú Carvalho foram gravadas pela banda A Cor do Som: Pela Beira do Mar, no DVD/CD Ao Vivo do grupo, e Navio Negro, no RockBook A Cor do Som. Além disso, sua canção Plantação Pernambucana foi gravada pelo grupo Pé-de-Cabra no CD da série O Bom do Forró.

Discos

Tempestade

Etanoise (2015) iTunes Marcio Tucunduva



Ficha técnica:
Produzido e gravado por Marcio Tucunduva e Marcos Ottaviano no Estúdio Eletrofônico, São Paulo
Mixado por Chris Shaw, Texas (EUA)
Masterizado por Joe Palmaccio, Nashville (EUA)
Foto de capa por Daniel Klajmic

Marcio Tucunduva: voz, guitarra, violão
Marcos Ottaviano: guitarra, baixo
Humberto Zigler: bateria, percussão


Antimoderno

Etanoise (2010) iTunes Marcio Tucunduva



Ficha técnica:
Produzido e mixado por Marcio Tucunduva e Marcos Ottaviano no Quarto Crescente
Gravado por Alexandre Fontanetti e Bruno Fiacadori no Space Blues
Vozes gravadas por Roy Cicala e Zeca Leme no S.A. Plant
Gravações adicionais por Marcio Tucunduva no Quarto Crescente
Masterizado por Tom Waltz no Waltz Mastering

Marcio Tucunduva: voz, guitarra, violão
Marcos Ottaviano: guitarra, violão
Andrei Ivanovic: baixo
Mário Fabre: bateria


Etanoise

Etanoise (2003) Download gratuito



Ficha técnica:
Produzido e gravado por Marcio Tucunduva no Quarto Crescente
Bateria e percussão gravados por Thiago Bianchi
Vozes gravadas por Beto Machado no Be Bop
Mixado por Beto Machado no Be Bop
Masterizado por Bolieiro no MCK

Marcio Tucunduva: voz, guitarra, violão
Eduardo Vidili: bateria, percussão e backing vocals
Neto Botelho: percussão e backing vocals
Paulo Martins: baixo
Otávio Ortega: teclados, sanfona e backing vocals
Rafael Fernandes: guitarra e backing vocals
Baulé: flauta e backing vocals

Vídeo

Entre a Cana e o Tédio

Ao vivo TV Trama



Que Sabe a Cabra?

Ao vivo Centro Cultural São Paulo

Fotos

Galeria

Imagens 2010 - 2015

Na mídia

  • Partindo do blues e indo até onde a imaginação é capaz de levar, a dupla gravou outra vez um excelente álbum, como já havia feito em Antimoderno.

    Ricardo Seelig / Prateleira do Cadão
  • Não dá para deixar de notar também que as letras são outro diferencial. Como ele fala sobre os temas escolhidos é o que o diferencia da maioria dos pontos comuns e óbvios que pululam por aí.

    Lucas Scaliza / Escuta Essa!
  • A principal diferença desse disco está mesmo nas melodias. A contundência das letras faz tamanho contraponto a elas que às vezes a gente mal percebe o quanto Tucunduva está sendo cortante.

    Lizandra Pronin / Território da Música
  • Tucunduva não está na turma dos novos paulistanos, e talvez seja até melhor assim. Sua sonoridade é muito mais forte do que a de muita gente vendida por aí como a nova bolacha do pacote. O cara arrasa.

    Julio Maria / O Estado de S. Paulo
  • Antimoderno faz um diálogo consistente entre rock e MPB... Destaque para as ótimas - e pesadas - guitarras e para as letras, que compõem um libelo crítico e inteligente à suavidade da dita MPB "moderna".

    Leonardo Foletto / Folha de S. Paulo
  • No berço do rock, guitarras dialogam com a MPB e com música nordestina... Entre ecos fortes de Raul, o roqueiro paulista destila sua crítica ácida e tira onda dos mudernos...

    Mauro Ferreira / blog Notas Musicais
  • Influenciado por roqueiros como Jimi Hendrix e Frank Zappa, além da música nordestina, Tucunduva - que na adolescência foi vizinho e pupilo de Raul Seixas - mostra consistência em seu segundo disco.

    Bernardo Araújo / O Globo
  • Um liquidificador de citações da MPB, com guitarras em riste (dele mesmo)... ruge na faixa-título. E segue soltando faísca Entre a Cana e o Tédio, Que Sabe a Cabra? e no rock embolada Parafuso Horário.

    Tárik de Souza / Jornal do Brasil
  • O ótimo Antimoderno vai na contramão do que está rolando na música brasileira atualmente... A influência de Raul Seixas está impregnada em sua obra.

    Revista Bravo!

Banda

Músicos

Banda Marcio Tucunduva 2015

Contato

E-mail



Últimos Tweets